Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Realidade da Grécia

Sexta-feira, 30.01.15

397940.png

Ontem um amigo meu perguntava como será possível que o actual governo Grego ponha em andamento todas as promessas eleitoralistas .Claro que terminar com a austeridade é fácil , muito fácil até quando há dinheiro para fazer face às despesas . E quando esse dinheiro não tem que ser retirado do cofre de outros Países , porque afinal , se assim for e em nome da democracia que a Grécia tanto proclama , há que lhes perguntar se querem arcar com as contas da Grécia . Porque ao que parece a Grécia só é adepta da democracia entre fronteiras , para os outros quer impor a sua vontade. Neste momento eu não queria estar na pele do Syriza , porque não são fáceis os tempos que o aguardam .A promessa foi que cada voto seria um passo em frente no caminho que leva ao fim da austeridade . Mas e agora?O povo Grego votou e demonstrou claramente que quer o fim da austeridade, mas essa vontade não tem aliada a si , o poder mágico de o conseguir. Para manter a palavra dada , é preciso que o Governo Grego disponha de muito , muito dinheiro e a maior incógnita é onde irá o Estado Grego desencantar essa mina . Ainda que tenham gritado ao vento a Soberania da Grécia e do povo Grego , nenhum Pais que pertença a comunidade Europeia mantêm intacta a sua soberania .E mais comprometedor que isso , todos os Países que aderiram ao Euro viram a sua Soberania cair ainda mais. Um País dito Soberano , que não tem como a Grécia um pacto de união firmado , em circunstancias idênticas tem como lançar mão de alguns expedientes para tentar conter a crise , entre eles ,fechar o mercado interno aos produtos importados , ou criar-lhes uma taxa dissuasora,ou simplesmente desvalorizar a moeda.Só que a Grécia não é detentora dessa vontade soberana , a Grécia que aproveitou os subsídios que lhe deram , e gostou de fazer parte de um grupo que a apoiava , depende agora desse mesmo grupo para gerir a situação em que se encontra.  Mas pior que tudo isto é que a Soberania da Grécia bate de frente com a divida enorme que contraiu.  E sem ajuda externa a Grécia não tem como se financiar , mas para obter esse financiamento a Grécia tem que obedecer regras , regras essas que colocam em causa a Soberania.  A  Grécia meteu-se e está nas mãos dos credores e esses credores estão com a paciência esgotada e pela vontade deles não voltariam a emprestar dinheiro à Grécia.   E não venham os Gregos pôr a culpa da crise numa teoria de conspiração que até dá muito jeito , porque a situação económica da Grécia tem directamente a ver com as opções politicas e financeiras que tomou ao longo destes anos. Neste momento é tarde demais para exigir respeito pela Soberania , ela foi vendida a troco de subsídios e de benesses que na altura deram muito jeito . E neste barco não está só a Grécia , Portugal também está , mas ao contrário da Grécia , tem a noção real da sua situação.  Claro que para um povo que se habituou a ter um excelente nível de vida, os sacrifícios que têm feito são de facto pesados. Entende-se que o povo Grego esteja saturado de privações , de cortes , mas prometer o fim de tudo isso é um acto de idiotice , porque o futuro da economia grega e o seu presente , não está de forma alguma na mão dos Gregos.  Neste momento interrogo-me se o primeiro ministro Grego será um demagogo ou um visionário, só que ele não tem capacidade de manobra para ser um visionário , até porque não dispõe dos recursos que por exemplo o Lula tinha quando prometeu uma viragem na politica , com a ressalva ainda de que a Grécia não tem um eleitorado tão pouco alfabetizado , como é o caso do Brasil , em que os que são considerados pobres , vivem afastados de cultura e educação escolar, sendo por isso manietáveis. O primeiro Ministro Grego não dispõe de tempo para grandes jogos de bastidores, e as medidas têm que ser tomadas com muita urgência.  Falta-lhe o dinheiro para cumprir as obrigações para com os credores e ainda para cumprir as promessas eleitorais , para começar , o aumento do ordenado mínimo. Para já o chefe do executivo Grego vê-se a braços com as parcelas a pagar da divida , sendo que uma vence já em Fevereiro. e tem o valor de quatro mil milhões de Euros. Em Julho há para pagar mais seis mil milhões de euros. É muito dinheiro ,a necessidade de financiamento à Grécia , será algo parecido com 15 mil milhões de euros. Isto significa que se a Grécia se colocar em posição de não cumprir o acordo e honrar os compromissos , o caminho será a bancarrota.O que significa que a Grécia continua a depender da Troika,já que os mercados externos recusariam emprestar dinheiro , Existe a possibilidade de o primeiro ministro Grego obrigar os bancos a financiarem a divida publica , mas se for assim , corre o risco de bater de frente com as regras do BCE. Ora a acrescentar a este quadro negro , existem ainda as despesas inerentes ao cumprimento das promessas eleitorais, que devem rondar se forem cumpridas , cerca de doze mil milhões de euros. A economia da Grécia tem apresentado alguns sinais positivos , mas ainda muito longe de sair da zona de risco . E a vitória do primeiro ministro que parece ter nas mãos a solução mágica para a crise , não muda esta realidade. O programa dele baseia-se numa ingenuidade que assusta , ele aposta num perdão da divida e acredita e espera que quem já emprestou o dinheiro e o perde , volte de novo a emprestar. Isto sim é ser um sonhador. E nós Portugueses como ficamos no meio disto tudo? Basta recordar que o primeiro perdão da divida Grega foi de cem mil milhões de euros , se Portugal tivesse beneficiado do mesmo perdão , os nossos problemas estariam quase por completo resolvidos. Esse perdão atingiu o Chipre e também nos fez vacilar a nós, porque atingiu de forma pesada as contas dos nossos bancos. A acontecer um novo perdão à Grécia , então teremos o direito de nos considerarmos injustiçados. Devo relembrar também que caso existisse um novo perdão da divida Grega , as perdas seriam suportadas por todos os Países da zona euro , incluindo obviamente Portugal , e incluindo Países que têm um nível de vida bastante inferior ao que a Grécia tem , mesmo agora , após a crise. Isso será sempre visto como uma injustiça e fará nascer graves problemas políticos. E parece que a Grécia esqueceu que não é só lá que existe democracia , nos outros Países também há eleitores que escolhem e que certamente não estão dispostos a aceitar aquilo que a Grécia espera. Sempre que falamos de perdão de dívida, de mutualização de dívida, de eurobonds e de outros mecanismos semelhantes, do que estamos a falar é de obrigar países como a Alemanha, a Holanda ou a Finlândia a pagarem uma parte das nossas contas, das contas gregas, porventura das italianas. Tudo o resto são eufemismo.Tudo chegaria ao povo sem hipocrisia se houvesse uma maior honestidade nos debates públicos.Até hoje ainda ninguém teve a coragem de dizer alto que todos os Países que pertencem ao euro , têm uma organização Federal que transcende as soberanias individuais de cada um .Neste momento o Federalismo já existe , apenas não está assinado em tratado nenhum e não se sabe como os eleitores dos Países da Zona Euro vão reagir a essa figura finalmente definida. Temos que compreender que o poder dos líderes desses Países é praticamente nulo , e se a Grécia conseguir arrancar ao Parlamento Europeu as condições que pretende , estará aberto um precedente grave. Países com um maior peso na CEE podem começar a fazer o mesmo tipo de exigências, uma vez que em todos os Países existem partidos que são contra a austeridade.  Claro que a Grécia vai dizer que a decisão foi do eleitorado e que numa democracia isso tem que ser respeitado , só que as escolhas apresentadas ao eleitorado Grego na verdade são meras ilusões. Podem é claro , sair do Euro , recuperarem a sua Soberania , mas pedir o perdão da divida não é um atributo dessa mesma Soberania , pois vai colidir com a Soberania dos outros Países. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por Gonçalo de Assis às 09:48





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  


Deus Cuida de Mim

(Para escutar clic no video)

NAO2c.jpg

Proibida a cópia e ou a reprodução deste Site, sem a prévia autorização do autor, por quaisquer meios ou processos existentes ou que venham a ser inventados, especialmente por programas de computador de acesso à Internet ou não, sistema gráfico, micro filmagens, fotográficos, videográficos; bem como a inclusão de qualquer parte desta obra em qualquer sistema de processamento de dados. Estas proibições aplicam-se também às características da obra e à sua edição. A violação dos direitos autorais é punível como crime, com pena de prisão e multa, além da possibilidade de busca e apreensão dos exemplares reproduzidos e apetrechos utilizados na reprodução.

Curriculum Vitae do Autor do Blog

Licenciado em Direito pela Universidade de Yale
Pós-graduação em Direito Criminal
Doutoramento em Medicina Forense

Estudos de História de Arte

Estudos de RPG aplicados ao ensino de técnicas teatrais

Escritor de Poesias e textos de reflexão

Com vários artigos de opinião publicados em revistas

Autor de alguns estudos de Mitologia

Membro da Maçonaria

Membro das Ordens Inglesas de Aperfeiçoamento Maçônico.

Cavaleiro Templário, membro do Preceptório Madras

Membro Honorário do Priorado

Iniciado em estudos sobre a Magia Celta em Stonehenge no ano de 1990

Membro da Antiga e Mística Ordem Rosacruz

Membro da Ordem Martinista

Membro do Colégio dos Magos

Conhecedor de, Kabbalah, Astrologia e Numerologia, formado pelas escolas mais tradicionais do ocidente.

Faixa-Preta (10º grau) de Kung Fu

Praticante de Karate

Praticante de capoeira

Professor de Chi-Kung Técnicas de kung Fu

Deu cursos e participou em projectos urbanísticos usando conhecimentos de Feng-Shui

Gestor de empresa


Mural do Sonhos



comentários recentes





Quem Nos Visita



Contador

contador de visitas