Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Desencanto

Segunda-feira, 26.11.07

 

Cansei-me de agarrar no vazio

chamas de um fogo que se extinguiu

de chorar as lágrimas de um mundo meu

que quem sabe, nunca existiu

Derrubei as pontes que construi

em noites de luar em que tudo era possível

A tua face era ainda bela

não via nela ainda a realidade, a mentira

Criei horizontes só meus

em que era azul o dia que nascia

perdi-me em palavras ternas

que eu ainda ousava pensar que entendia

Ah mas a madrugada raiou

sobre o mundo de sonho

que só dele vivia

e mostrou que dessa história só minha

tudo era cinza e lama

já nada existia

Fiz a pergunta ao vento

soltei o medo que me prendia

a resposta foi o cair da máscara

mostrando o rosto

que já conhecia

verde com a cor da mentira

do riso e do escárnio que recebi

talvez não de todo inocente

quem sabe talvez se o mereci

Não fechei de todo a janela

não se impede o sol de entrar

por mais que se tente

apenas esqueci o mundo criado

onde sei que é mentira

tudo o que se diz

não quero colher a rosa

se apesar de formosa

em tudo o mais mente

Cansei-me de lutas vãs

de lágrimas derramadas a teu belo prazer

de ser brinquedo de criança

de ser eternamente a aliança

entre o amar e o sofrer

Saio de dentro de mim

mais derrotado

cansado de te ver mentir

se me vou tu me chamas

se me aproximo

me mandas partir

Se tu nem sabes quem és

se és a sombra

de quem querias ser

se és a morte de tudo

a cinza negra espalhada

na alma que quis ainda crer

és um porto perdido

que nunca soube vencer

Ficam lágrimas perdidas

geladas numa face

de que quiseste escarnecer

não te destrui todas as estradas

deixo um caminho

por onde podes seguir

mas para o mundo de sonho

a tua própria ponte terás que construir

antes muito antes

de a vida partir!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por Gonçalo de Assis às 19:46


1 comentário

De Doce Fugitiva a 27.11.2007 às 11:17

Lamento,
“o lamento de lamentar
o que não se pode dar
o desespero de sentir
do peito o coração se despir

A lembrança ainda criança
a esperança talvez lembrança
vivendo o novo dia
como há muito não fazia

Tudo é emoção
tudo é sensação
sentindo a dor
se desfazendo num Adeus, desamor

Mas, sempre existe o mas,
condicionando a se aceitar
quando tudo que se quer
é somente se dar (amizade)

Mas o dar pode não ser o bastante
tênue como uma brisa
incontrolável como o mar
quanto mais perto se chega
mais longe ele está

Outro amanhã virá
novas emoções, outras sensações
e talvez o ontem, que muito prometia
seja o amanhã, que hoje se desvia.”

Felicidades amigo, segue o conselho dos teus amigos, dá esse amor a quem esteja preparado para o receber, a quem te amar também e será uma mulher feliz, tenho a certeza...Infelizmente não escolhemos a quem amar não é??...

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  



comentários recentes



subscrever feeds