Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Quero-te

Quinta-feira, 31.08.06

Quero ter-te esta noite

inteira

quero que teu corpo

seja o meu porto

onde atraco o meu navio

o navio pirata

deste meu desejo ardente

Quero-te esta noite

esse teu corpo alvo

exibido à minha gula

entre lençóis rubros

de um delicado cetim

Quero sentir-te minha

e gritar sobre ti

no momento em que te

possuo

declarações murmuradas

por entre os gemidos

que a minha boca cerrada

deixa escapar

Quero possuir-te esta noite

com o desejo

sentido

sofrido

em noites de insana loucura

em que já não é desejo

é tortura

todo este querer

Quero possuir-te esta noite

e ter-te por inteiro

até à saciedade

para que se um dia

eu partir

possa levar esse amor

para a eternidade

Quero ter-te esta noite

arrancar com fúria

essas roupas

com que escondes encantos

que eu preciso ter

e arrancar com os dentes

as rendas com que cobres

esses recantos de prazer

do teu corpo de mulher

Quero ter-te esta noite

deixar no teu corpo a marca

de um território só meu

conquistado numa luta

de gemidos e suor

e deixar nele como troféu

a bandeira

deste meu amor

Quero desfolhar teu corpo

como milho-rei

numa noite de Agosto

e ter na minha mão

teu corpo frágil

dócil

exposto

Quero ter-te nua

sobre a minha cama

como presa

domada

e jogar em teu seio

como oferenda

as pétalas macias

de uma rosa negra

e perfumada

Quero ter-te com raiva

que o meu corpo

te domine

e te conceda um prazer

não isento de dor

e que cada gemido nosso

seja mais uma nota

na musica do amor

Quero possuir-te

com a intensidade

da primeira vez

em que nos tocamos

corpos frementes

num desejo atroz

que ali matamos

Nesse acto consumado

que uniu

nossos corpos

numa louca chama

que o prazer extinguiu

loucura de quem ama

nessa agonia doce

que nunca mais sumiu

Quero entrar em teu corpo

como dono

senhor

e fazer-te minha

como na vez primeira

em que foste minha escrava

e minha rainha

Quero que me sintas

em ti

que me sintas teu

sobre esse teu peito

amado

que me acolheu

neste amor terno

que nos sorriu

e que se um dia

eu não não mais viver

possas tranquila dizer

não, ele não morreu

esta aqui comigo

jamais partiu

Quero ter-te esta noite

casta

pura

toda minha

levando-me à loucura

à insanidade

no teu coração

um dia

a leve dor

de uma doce saudade

e eu

nunca mais perdido

levando comigo

este amor

tão sofrido

desejado

vivido

para a eternidade

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

Escrito por Gonçalo de Assis às 09:23


33 comentários

De Coletivos dos pestinhas a 31.08.2006 às 13:24

Esta do gato superou hoje em passarinho.
Coitado do chaninho era limpinho não precisa colocar na maquina de lavar ,fala a verdade vc,queria quando ele fosse miar ,pela boquinha dele ver bolinhas de sabão saindo.
Coletivos dos pestinhas

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  



comentários recentes