Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O Erro do Socialismo Utópico

Sexta-feira, 10.09.10

 

Todos nos queixamos da crise mais ou menos recente do nosso País , mas poucos lembram que ela teve início nos tempos áureos da nossa revolução . Não estou a defender o anterior regime que também tinha os seus erros sociais , mas estou a dizer que a passagem de uma ditadura absoluta para um socialismo liberal na altura , destruíu a economia do nosso Pais . O povo tinha ânsia de liberdade e deu vazão a essa sede da pior forma possível . Quem lembra ainda a corrida louca às privatizações forçadas, aos autênticos saques às herdades do Alentejo , à usurpação de casas e fábricas ? Era socialismo aquilo ? Então vejamos . Na essência desse socialismo , estava a ideia de terminar os fossos entre classes, apregoava-se que ninguém seria pobre , mas também ninguém seria muito rico , haveria um princípio de igualdade social , ou uma sociedade sem classes . Então fez-se a entrega das herdades do Sul aos trabalhadores , que estavam despreparados para gerir autênticos impérios agrícolas que sustentavam grande parte da economia do nosso País e decidiram que todos receberiam salários bons , que todos partilhariam entre si terras e colheitas e tudo seria dividido . Nessa altura e após  a primeira colheita , dividiram mais ou menos os lucros . Os que trabalharam bastante receberam o mesmo dos que não faziam nada e isso começou a gerar roturas e indignação . Claro que os que não gostavam de trabalhar , para assegurarem a sua posição , criaram órgãos directivos que lhes permitia usufruir mais , fazendo menos . Quando começou o segundo ano pós-liberdade , os preguiçosos tinham constituído cooperativas , sindicatos , tudo que lhes permitia não trabalhar , mas contavam claro receber um bom salário . Os que de facto eram trabalhadores , começaram a questionar-se sobre se valeria a pena trabalhar tanto para dividir com quem não fazia nada . Passou-se da situação de um só patrão por herdade , para 10 ou 20 . Então resolveram não trabalhar também , encostaram-se ao sistema e faziam o menos possível . E claro que a rentabilização das herdades e fábricas caiu , e ao fim de algum tempo a produção não dava para os gastos . Perante este quadro começaram as zangas e a procura por culpados e uma população que queria ser coesa começou a dividir-se . A busca cega por justiça social foi a principal causa de uma rotura económica que ainda hoje persiste . Chegou-se à conclusão que não valia a pena trabalhar quando uns trabalhavam e outros aproveitavam . E veio o estado subsidiar a preguiça para garantir a social democracia . Este idealismo social que vivemos no nosso País falha porque se apoia na lei do menor esforço . E o princípio é sempre o mesmo , quando queremos uma grande recompensa deveremos fazer um esforço grande para a obter . Mas quando um Estado se torna liberal demais e tira a alguns bens pessoais sem a sua autorização , como foi o caso da vergonhosa reforma agrária, ou tira do bolso de quem trabalha , dinheiro para pagar subsídios que são o garante da preguiça de quem nunca fez um esforço para trabalhar e vive de rendimentos sociais , então o fracasso do sistema é certo . É impossível tornar uma classe sem recursos , rica , penalizando a classe rica e retirando-lhe o que lhe pertence. E no caso da vergonha dos que vivem do maldito subsídio de reinserção social , sem fazer nada para o merecer , como parasitas , fica o aviso que por cada pessoa que recebe sem trabalhar , tem que haver outra que trabalha e recebe metade do que deveria receber , porque o governo não faz dinheiro , ele sempre dá a um beneficiário aquilo que tira de outro . E quando num País como o nosso , quase metade da sua população entende e aceita que não precisa de trabalhar para receber , porque a outra metade da população trabalha para os sustentar ,  e quando a metade que trabalha se cansa de ser explorada e desiste , pensando que trabalhar assim é ser burro , porque o seu esforço e os seus impostos vão para quem passa o dia a passear sem fazer nada , então aí chegamos ao ponto em que hoje estamos , o princípio do fim de um sistema e da dignidade de um País . Em nenhuma economia do mundo , seja sob a direcção de qualquer partido JAMAIS se consegue multiplicar a riqueza de um estado , dividindo-a por quem não contribui . E quando o faz , a falência é inevitável .

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por Gonçalo de Assis às 12:20


1 comentário

De Paulo Ribeiro a 11.09.2010 às 14:54


Todo o socialismo é utópico e só desejado por quem nada tem e não por motivos de desenvolvimento social. O socialismo é no final a cobiça de quem não tem por aquilo que os outros possuem . Qualquer socialista ferrenho desiste da sua opção quando a vida lhe dá poder e dinheiro .
Um abraço

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  



comentários recentes