Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A criança que ainda sou

Quinta-feira, 16.09.10
Cada criança é uma criança diferente , tanto fisicamente quanto em personalidade. As crianças são seres barulhentos por natureza e estranhamente parecem ter o dom de se multiplicarem por vários lados ao mesmo tempo , tal a velocidade com que mudam de local dentro de casa . Os pais adoram essas pequenas pestinhas , as visitas detestam-nas , mas rendem-se , os irmãos mais velhos toleram-nas e o Pai Divino protege-as . Uma criança não precisa andar de carinha lavada para ser sábia , nem bem penteada para ter a verdade nas veias , uma criança é a esperança com as calças caindo , (imagem da minha sobrinha) . Uma criança saudável tem o apetite de um jovem potro , a digestão rápida de uma avestruz , a energia de um explosivo , a curiosidade de uma raposa esperta , os pulmões de um cantor de ópera , a imaginação do mais famoso escritor , a timidez de uma rosa ainda em botão , a coragem dos insanos e umas mãos com dez dedos que parecem multiplicar-se por cem na hora de aprontar . Mas eu apesar de me dizerem que já não sou criança , ainda adoro pião , bolos , sorvetes , adoro carrinhos , e espero com expectante magia o Natal e o dia do meu aniversário . Gosto de passear ao ar livre , de mexer na água , gosto de cães enormes e sou fascinado por carros e aviões . Ainda sinto a magia serena dos domingos . Ainda hoje detesto receber visitas inesperadas , detesto fazer sala com generalidades sem graça , cansa-me a escrita muito intelectual , detesto cortar o cabelo , embora o faça , que remédio , odeio os dias de chuva , e ter hora certa para me deitar . Nesta minha vida de adulto , levanto-me cedo e chego sempre atrasado , e daria tudo pelas minhas horas tão calmas de menino , em que nada mais precisava ter que um pequeno tesouro , que era um velho canivete já rombo , uma pastilha de mentol , uns cordéis para as brincadeiras de índios , botões que arrancava da camisa para jogar , e havia sempre algum objecto raro que me era absolutamente necessário , pelo menos por umas horas . Ser criança é ter uma magia especial , podemos até fechar a porta da despensa a uma criança , mas jamais fecharemos a do coração . Quando fui reconhecidamente criança , fui uma peste , fazia mil trapalhadas , fui muita vez ditador e mandão , mas sei que fui infinitamente amado . E hoje que já não me deixam ser criança , quando regresso cansado a casa , farto de ouvir falar em crises , greves , futebol e afins , é no som de uma voz infantil , que pode mais nada dizer que um simples , olá pai , e a minha alma enche-se da magia eterna de ser criança . Por mais que me deleguem responsabilidades , me exijam e cobrem , jamais deixarei de ser também criança , sempre fui irreverente e apaixonado pela vida , com os olhos cheios de sonhos e continuo tal como fui um dia . Basta um sorriso terno para fazer o meu coração disparar e um carinho sincero para fazer a minha eternamente infantil alma completamente feliz.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por Gonçalo de Assis às 22:44


1 comentário

De valquiria a 18.09.2010 às 22:30

Boa noite Gonçalo!!!Gonçalo criança é um momento belo!Que todos possam redescobrir a criança dentro de nós.A criança fala com coração eles são maravilhosos.Todos nós temos  a alma infantil,e quando falamos com o coração sempre deixaremos a nossa criança interior ao nosso lado.
Beijos com carinho

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  



comentários recentes