Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Opostos Em Mim

Segunda-feira, 04.10.10

Toda a vida ouvi dizer que os opostos se atraem . Mas confesso que não concordo , porque dentro de mim existem opostos que se repelem . O equilíbrio é a necessidade de que os opostos internos que carregamos se harmonizem . Por isso é tão difícil alcançar e manter um saudável equilíbrio . Muitas vezes a nossa alma parece uma balança sem pratos que não conseguimos equilibrar . Tantas vezes , apesar de estarmos rodeados de pessoas , nos parece deserto o caminho que temos pela frente . E tudo isso passando pela evidência de que os outros caminham ao nosso lado . E sem conseguir harmonizar os opostos que me possuem , eu vivo , fazendo errado as coisas que considero certas e fazendo certo talvez , aquilo que interiormente considero errado . Talvez dos santos eu fosse o mais pecador , mas dos burlões o mais honesto , sem nunca me harmonizar com o que sinto em mim . Às vezes o caminho parece-me tão perto do não ir e tão longe do ficar . As pessoas dizem-me que sou bom e eu acho que sou bom o bastante para ser ruim , mas talvez não ruim o bastante para não ter algo de bom . Pego-me perguntando a mim mesmo se a minha forma de ser faz sentido para os outros . E se aquilo que os outros pensam faz algum sentido para mim . Não sei se aquilo que calo é mais importante que aquilo que digo ou se aquilo que digo , apenas fragiliza aquilo que calo . E os opostos continuam em mim , numa eterna batalha , numa desarmonia que harmoniza a desordem que em mim  procura a ordem que nunca conheci . Sou o lado negro da minha alma cintilante e o negrume que cintila de encontro à luz que exalo . Sou um ser complexo na minha simplicidade complicada de ver a vida que desconheço , numa meta que estabeleci , mas que não alcanço . Rio no choro que me corre na alma , ensopando sentimentos em sorrisos que são salgados . Vivo , acreditando em sonhos que alimento com a fome do meu sábio desconhecimento . Sou um rei sem trono no meu mundo anarquista cujo governo que eu sou é destituído por mim a cada instante . Sou miragem de um deserto feito da água que brota dos meus olhos , chorando os sonhos que não cresceram , aqueles que nunca me permiti viver , porque um lado da minha vida é morte , daquilo que jamais me foi dado . Dou-me na avareza do abraço que fica por dar e aperto num amplexo de ternura o ser que nunca na vida pude abraçar . Perco-me nos labirintos que tracei e que são estradas planas , nas montanhas das decepções , infinitas como o vale da tristeza . E no meio desta confusão , eu sou aquilo que nunca fui e jamais serei aquilo que deveras sou e vive em mim o oposto de mim mesmo , matando-me na vida que um dia me foi dada , em que cada alvorada é noite e em que cada noite vivo uma eterna madrugada .

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por Gonçalo de Assis às 23:47


6 comentários

De Maria Isabel Castro a 05.10.2010 às 00:54


Li o teu texto com atenção e acho que mexeu profundamente comigo , amigo e pergunto-me quantos de nós , teus amigos na realidade te vemos . Vemos o homem bonito , elegante , o sorriso sempre terno , mas não vemos o que existe por trás disso . Acho que somos egoístas , habituamo-nos a ter-te ali , a exigir de ti , a cobrar de ti , a pedir-te a ti . Mas nós que fazemos por ti , porque não nos exiges , não nos cobras também . Acho que nenhum de nós que priva contigo , sabe de facto apreciar o singular ser humano que tu és . Prendemo-nos com ninharias e não alcançamos o real esplendor da tua alma . E o pior de tudo é que passas impunemente nas nossas vidas . Se partisses agora , já , que ficaria em nós do muito que nos deste? Tu que tens sempre a palavra certa , o sorriso certo , o abraço seguro , a mão que se dá , nós que aprendemos contigo? Quantos registamos as tuas palavras , aprendemos os teus gestos ? Às vezes penso que passas no mundo como pérola entre porcos , porque não soubemos ter-te , soubemos possuir-te . És um amigo excepcional , e desejo que sejas feliz e que encontres em nós tudo aquilo que nos dás

De Teresa Augusto Shanor a 05.10.2010 às 01:02

...e tudo isso faz parte da luta que travamos contra nosso próprio ego, em benefício de nosso aperfeiçoamento como ser humano e Estelar.  Todos as pessoas travam a mesma batalha, cada qual no seu estágio evolutivo e o sabor amargo é o estimulante que nos força a caminhar rumo à evolução. Tudo normal neste seu conflito interno, sinal de que está em plena atividade como ser Universal.
Acalme seu coração e veja que não está só, todos estão travando a mesma luta.


Luz e Paz.

De Pedro L. Castro a 05.10.2010 às 19:27

Boa tarde querido
Ao ler este texto que nos relata os opostos da tua alma , lembrei de um episódio passado há anos na pastelaria Suíça , salvo publicidade , em que eu e alguns amigos comuns falávamos da vida , dos amigos e de pessoas integras . E claro que alguém mencionou o teu nome e outro alguém comentou  : -Ah mas o Gonçalo é diferente . Não gostei , perguntei o que te diferenciava de nós e o tal amigo referiu os teus estudos , a tua ligação à Maçonaria e a diferentes instituições e eu fiquei a pensar . Acho que tu não és diferente , és uma pessoa com muito conhecimento apenas . E por favor nunca queiras ser diferente , o mundo tem medo dos diferentes e o único diferente que associo à tua bondade foi Jesus Cristo . Que era um homem comum , que não fazia mal a ninguém , mas que tinha muitos conhecimentos e era por isso diferente . E que por essa diferença sofreu e morreu . Um homem que falava de amor e não pode vivê-lo . Que tinha muitos amigos quando lhes arranjava comida , quando lhes dava vinho , mas que na hora da morte se viu só e renegado . E alguém lembra já o que ele disse? Morreu para lhe colocarem frases na boca que sustentam impérios e religiões usuárias e não me venham falar da célebre máxima dele , amem-se uns aos outros , porque o que se vê é matarem-se uns aos outros em nome dele .
Por isso a esse diferente , mais valia ter ficado na fonte de Jericó a dar uns valentes amassos à Madalena .
E tu , sê feliz , que se lixe o mundo , vive , o mundo de hoje tal como o de ontem não merece "diferentes".

De valquiria a 05.10.2010 às 22:42

Boa noite Gonçalo!!!Querido temos todos nossos opostos convivendo com opostos dos opostos.Gonçalo,seus fragmentos são cristais pela sua razão e ainda empregnados de emoção e transformados em palavra.Enfim;você é uma pessoa que merece toda felicidade do mundo,vai ser feliz querido.
Beijos com carinho

De pandora beads a 11.10.2010 às 08:08

Au printemps le fleuve déborde, s'unissant à la mer, De l'océan, la lune monte avec la marée; Scintillante, suivant les flots sur dix mille lis, La lune glisse omniprésente le long du fleuve au printemps.

De pandora jewelry a 11.10.2010 às 08:10

 Le courant serpente entre les prairies parfumées, Les arbres fleuris deviennent neigeux sous les rayons argentés; Dans l'air qui semble condensé, se meut le givre Qui voile les rives sablonneuses, à peine distinctes.

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  



comentários recentes