Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Viajo

Segunda-feira, 17.01.11

 

Sou viajante solitário , sem porto de partida , nem cais de chegada . Viajo por entre países em mim , por entre vagas do meu ser , por correntes da minha alma , numa lagoa frágil e calma , como frágil é por vezes o meu querer . Sou passageiro das noites sem lua , marinheiro de barcos que deslizam no seio do nada , astrónomo de estrelas vazias , frias , que gelam no seio de cada alvorada . Viajo sem passaporte , sem sul e sem norte , chego sempre sem avisar , fazendo-me presente , na total ausência de mim mesmo . Viajo por raios de sol , que já não aquecem rosas , que embelezam apenas as águas paradas , de onde é impossível escapar , viajo sem descanso , procurando eternamente o meu jeito , o meu lugar . Sou viajante sem termo , sem destino certo , sem horas de aportar , desconheço as regras , ignoro as fronteiras , penetro mundos , por mim desejados . Sou pequeno perante o mundo , grande perante a pequenez , rio perante o escárnio , fecho os olhos para a ignorância , e abro o que de mim resta ao amor , caminho por locais fechados , em busca de luz , de ar , de calor . Não sou melhor nem pior , nem bom ou mau , mentiroso ou sincero , sou aquilo que sou e o que não sou, é porque não quero . Fujo do sonho que me enganou , fujo da verdade que me feriu , fujo do amor que me magoou , fujo do medo que me cerceou , fujo da mentira que eu repeli , fujo da tristeza que me possuía , fujo da saudade que é alma morta , fujo da dor que me tomou , fujo de tudo e fujo do nada , confundo-me com o aroma das noites, com a brisa do vento que sussurra na mata , com a espuma das ondas que molha os seios de deusas que se banham ao luar , fujo da morte e fujo da vida , pássaro que arrasta a asa ferida , que teme já não saber voar , sou o escuro e sou a luz , sou o céu e o inferno , sou o dia e sou a noite , sou o passado que fui e o presente que talvez serei , mas aquilo que sou não sei . Sou no entanto aquilo que quero , porque aquilo que querem não serei , serei apenas aquilo que desejo , aquilo porque luto e quero ser , e quem diz que sou aquilo que deseja , vê em mim apenas o que almeja, porque aquilo que sei , o que sou e o que talvez serei , será apenas para quem comigo viaja , no centro da minha loucura , para quem comigo vai à aventura , quem comigo viaja sem parar , num desejo insano de ser , o que ninguém ainda sequer ousou sonhar .

  

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por Gonçalo de Assis às 19:31


5 comentários

De Pedro Arcos a 17.01.2011 às 22:57


Oh nosso Mestre assim viaja de graça . E acredito que houvessem tantas candidatas para essa viagem tão longa .
Um abraço

De Gonçalo de Assis a 20.01.2011 às 16:41


Boa tarde Pedro

Não tenho nada contra comentarios neste blog sejam favoraveis ou negativos , desde que fundamentados ..
Mas gostava que cada um deles comentasse o texto e não fizesse observações de gosto duvidoso e insinuações que não permito .
Depois resolvemos isso em privado , porque eu de facto pensei estar a formar melhores alunos , ainda mais que a frase esta deploravelmente construida .
Lamento sinceramente , Pedro , esperava bem mais .

De Viajante sem porto a 24.01.2011 às 19:39

Nossa, adorei!!! É muito lindo...

De valquira a 30.01.2011 às 14:35

Boa tarde Gonçalo!!!Lindo seu texto querido.Esta correto quando diz que você sera o que você quer ser e não sera o querem que você seja.
Viajar e sonhar e uito bom querido.
Beijos com carinho

De valquiria a 30.01.2011 às 14:36


Desculpa errei muito bom.
Beijos com carinho

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  



comentários recentes