Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Esquecimento e excesso de zelo

Segunda-feira, 28.07.14

 

Continuando esta fase de entradas intempestivas neste blog e arriscando o pescoço, (metáfora), venho mostrar aos leitores o outro lado , o lado mais privado de um homem que aprendi a respeitar . Se tiver erros , não liguem importância , embora estando há anos em Portugal , não sou português e trabalho há cerca de vinte anos com o Gonçalo . Não tenho licenciatura em nada, comecei entregando café no escritório , mais tarde fazendo as fotocópias e com o tempo fui subindo até onde estou hoje . Trabalhar com o Gonçalo é algo que me enriqueceu muito como pessoa . Obviamente ele é humano e tem altos e baixos , ainda assim aprendi e cresci muito com ele . Quando fui trabalhar com ele, conhecia a sua fama de advogado astuto , ainda que muito jovem e de grande talento para os negócios. Com o tempo conheci alguém igualmente muito humano , acessível e com um coração do tamanho do mundo . Tenho com ele vivido episódios engraçados, outros mais tristes e outros ainda completamente hilariante. Acho que o Gonçalo sempre deixa aqui uma faceta muito séria , introspectiva ,  embora ele tenha todas essas facetas , tem outras impagáveis , de rir até chorar . Vou contar um episódio que vivi com ele , que nada tem de especial , mas que ilustra a sua forma também engraçada de ser . Era uma sexta feira e às sextas ele faz questão de se despedir de todo o pessoal , cumprimentando pessoalmente e desejando um bom fim de semana . Geralmente desce com a Daniela e caminham juntos até ao estacionamento . Por incrível que pareça , aquelas duas almas aproveitam até ao ultimo minuto para falar de trabalho . O motorista espera no carro impaciente e eles de agenda aberta , discutindo assuntos para segunda feira . Algumas vezes o motorista dizia entre dentes ( tanto tempo para discutirem as reuniões durante o dia e agora é que se lembraram). Nessa sexta feira o Gonçalo tinha uma dor de ouvidos muito aguda , já tinha estado no médico, mas ao que parecia não tinha resultado . Passou o dia trabalhando , com a porta da sala dele fechada , quando ele mantém a porta cerrada , toda a gente sabe que é melhor não incomodar e se tiver que incomodar que seja algo realmente importante . Nesse dia chamou-me e pediu que remarcasse a consulta no médico . Era já final da tarde e a assistente do clínico disse que ele atenderia , mas pediu que o paciente não se atrasasse muito . Dei-lhe o recado e ele disse que ia sair , deviam ser umas 17 horas , disse meio agastado que tinha esperado uma amiga que não apareceu e que tudo que tinha para fazer estava feito . A Daniela ainda ficava, e eu sai com ele . Entramos no carro, eu , ele e o motorista e fomos na direcção do consultório médico . Minutos depois toca o telefone dele e ele depois de olhar o numero que chama , atende . Era da Central de segurança que instalou e gere o alarme na quinta dele . O dialogo foi mais ou menos assim .

- Senhor , o alarme da sua casa disparou...

- A esta hora?

-Sim senhor .

- Não estou em casa , as câmaras não mostraram o motivo porque o alarme disparou?

- Deu somente para ver movimento , mas não se viu nada nítido .

- A minha empregada a esta hora foi às compras , mas creio que deve ter esquecido de colocar o papagaio na gaiola.

- Muito bem , não alertamos a policia?

-Não.

-Qual é a senha senhor?

-Que senha? - Responde ele irritado , ainda mais com a dor no ouvido .

-A senha senhor , para eu ter a certeza de que estou a falar com o dono da propriedade.

-Se eu atendi o meu telefone é porque sou eu , certo?

-O senhor tem que saber a senha...

Ele começou a ficar irritado.

-Olhe meu caro , não me lembro da senha , nunca uso , esqueci .

-Então vamos tentar outra coisa. A zona 1 é o Jardim?

-Sei lá , talvez ...

-Errado , a zona 1 é a cozinha.

-Como quer você que eu saiba isso?

- Como proprietário tem que saber .

-Então estamos muito mal , não sei .

-Então também não sei se o senhor é quem diz ser e por isso vamos mandar a polícia .

E o homem desligou . Enervadíssimo o Gonçalo tentou ligar várias vezes para a empregada que não o atendia . Provavelmente com o barulho do centro comercial não ouvia .

Segundos depois toca o telefone .

- Sim ? - atende ele já muito irritado .

- Senhor o seu alarme disparou.

-Já sei, e antes que me peça , não sei a senha, não sei as zonas , e era bom que desligassem essa porcaria que vai deixar os cavalos loucos.

-O senhor pode desligar por telemóvel .

-Ainda bem , como devo fazer?

- O senhor não sabe?

-Se eu soubesse , não perguntava.

-Para lhe indicarmos a forma de desligar o alarme , tem que nos fornecer a sua senha secreta.

- Mau , outra vez ? Já disse há pouco ao seu colega que não me lembro .

-Sendo assim , vamos mandar um piquete.

Já muito enervado com tudo aquilo , o Gonçalo mandou o motorista dirigir-se para a quinta e apesar da hora, até não demorou muito a chegar lá .

Quando chegamos estava um piquete da agencia de segurança a tentar escalar o altíssimo muro .

Lá dentro ouvia-se a sirene a tocar com um som estridente e agudo , o Gonçalo pegou no comando do portão , abriu-o e entraram todos , os senhores do piquete à frente com ar ameaçador .

O Gonçalo já bastante cansado, olhou para eles e disse , fazem o favor de desligar aquela porcaria?

Um deles , com uma fleuma que parecia Britânica , respondeu - desligue o senhor usando o teclado .

-Não me lembro da maldita pass numérica .

- Então desligue com o comando , senhor.

O Gonçalo foi ao carro , retirou um comando e por mais que pressionasse o botão , o barulho ensurdecedor não se calava .

-Acho que esta porcaria não tem pilha. Ou vocês desligam essa coisa ou eu parto essa porcaria toda e acaba-se o alarme.

Ficaram todos a olhar uns para os outros e um dos membros do piquete , finalmente digita a pass  mágica no teclado e o barulho cala-se .

A sensação de silêncio que se seguiu foi irreal , parecia que a paz se tinha instalado de novo .

O Gonçalo assinou um formulário qualquer e o piquete partiu . Ele desistiu da consulta e fiquei com ele para jantar . Obviamente que o culpado pelo disparo do alarme era mesmo o papagaio . Mais tarde rimo-nos da situação , provocada por um homem que esquece as coisas mais terra a terra e por uma agencia de segurança que leva o seu trabalho a um impressionante excesso de zelo .

Há situações caricatas , invulgares e o Gonçalo parece ter uma antena para as atrair.

Espero não ter aborrecido os muitos leitores que por aqui passam .

 

GUSTAVO RAYMIN

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Escrito por Gonçalo de Assis às 11:07


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  



comentários recentes



subscrever feeds